03/05/2022

Moda Punk

Movimento Punk

O movimento punk, que se enraizou na Inglaterra, expressa o período entre 1976 e 1980, quando surgiu uma verdadeira mania por bandas de rock mais agressivas, navegando em uma inspiração sombria alimentada pelo clima de crises econômicas, guerras e ataques em solo europeu. Mais do que uma tendência musical, o punk viria a tornar-se um importante movimento social e artístico: o “Movimento Punk” veio para abalar a sociedade e propor uma alternativa às soluções, consideradas demasiado utópicas, propostas pelos hippies. De fato, como muitos movimentos, os punks nasceram da contestação da ordem estabelecida e em oposição ao movimento anterior.

O movimento atraiu, pelo menos em sua origem, pessoas que não se sentiam pertencentes à sociedade, mas não buscavam fugir dela. São pessoas que foram profundamente afetadas por crises econômicas, desemprego em massa e foram embaladas por imagens de guerras na televisão. O famoso slogan “No Future” é uma ilustração perfeita da imagem que eles têm da sociedade. As principais ideologias e contestações políticas do movimento têm suas origens nesse sentimento de exclusão: anarquismo, individualismo, existencialismo, anticapitalismo, antiautoritarismo ou antirracismo. Eles questionam o lugar do indivíduo e suas liberdades na sociedade em que crescem, fazendo da liberdade de expressão e de pensar por si mesmo o centro de sua filosofia. Simplificando, o movimento punk quer criar uma sociedade onde os seres humanos sejam tão livres quanto possível, opondo-se a todas as formas de autoridade. O famoso “faça você mesmo” associado a eles, mais do que uma assinatura estilística, é o símbolo dessas manifestações políticas e reflexões sociais.

Gilles Pierroux disse: “Raramente um movimento artístico correspondeu tão surpreendentemente ao choque social de que é contemporâneo. […] a década de 1970 teve representações marcadas pelo selo da violência, terroristas, autonomistas e punks denunciando, cada um à sua maneira, os grandes problemas do mundo atual. Quanto mais agudo o problema, mais violento o protesto; quase se poderia acreditar que, em períodos de crise profunda, a própria sociedade dá origem a pessoas marginais cujo papel será expor o mal, exorcizando-o e solucionando-o em parte”.

Há mais de 40 anos, os Sex Pistols lançaram o refrão “No Future”, que se tornou o emblema do punk rock. Mas, paradoxalmente, esse movimento teve uma sequela. Durou porque revolucionou as atitudes através do seu estilo de vestir e da sua forma de se expressar.

O punk sobreviveu, e não apenas por causa de sua música agressiva: é o movimento artístico mais global que sobreviveu. Como Vincent Bernière, coautor de Punk Press, diz: “Punk é sobre energia e fazer coisas mesmo que você não domine a técnica”.

O momento do punk (1976-77) gerou uma série de bandas, clubes, fanzines e gravadoras. O pânico moral que se seguiu à aparição dos Sex Pistols na televisão na hora do chá em dezembro de 1976 garantiu que o punk passasse para a consciência pública mais ampla. O furor em torno de God Save the Queen (1977), do Sex Pistols, lançado para coincidir com o Jubileu, e envolto em uma capa de Jamie Reid, que desfigurou Elizabeth II, acrescentou intenção sediciosa à delinquência do punk. Mesmo assim, sob as histórias assustadoras dos tablóides, bandas como The Clash, X-Ray Spex e The Adverts proferiam canções de crítica sociocultural, enquanto Siouxsie and the Banshees, Wire, Subway Sect, The Slits e outros sugeriam algo diferente. Ao longo de 1977-78, o punk mudou-se para as províncias, gerando cenas locais e evoluindo para sons e sensibilidades pós-punk. Joy Division, de Manchester, veio para definir melhor a mudança da raiva para a alienação. Mas o final da década de 1970 também foi o período do Rock Against Racism e dos renascimentos subculturais; experimentalismo de inspiração punk e realismo social potente. Paralelamente ao punk, a cultura industrial surgiu via Throbbing Gristle e Cabaret Voltaire, enquanto o programa de rádio de John Peel oferecia vislumbres noturnos das possibilidades cada vez maiores do punk. No final da década, o “2-Tone e o New Romanticism” evoluíram do meio diversificado do punk, cultivando novos estilos no processo. O pop foi reinventado na década de 1980; gráficos alternativos foram criados para dar conta do submundo florescente.

A década de 1980 viu o punk se dividir em várias facções. “Oi!” surgiu como a “batida de rua”, um punk rock contundente formado por Sham 69 e disposto a se alinhar com skinheads como uma personificação mais ressonante das reivindicações do punk de raízes proletárias. Tribos anarco-punk se reuniram em torno de Crass e Poison Girls, empurrando a política punk mais profundamente para protestar contra a guerra, a vivissecção, a cidade e tudo o mais que representa “o sistema”. The Exploited liderou aqueles que desejam pronunciar 'punk’s not dead', seu cantor Wattie Buchan aperfeiçoando o moicano em breve clichê. Das rachaduras entre um ‘punk positivo’ emergiu, desenhando a sensualidade macabra dos primeiros “Adam and the Ants” e “Siouxsie and the Banshees” para pavimentar o caminho para o gótico. Girando pela tangente, selos independentes como FAST, Factory, Postcard e 4AD cultivaram sua própria estética, enquanto aqueles que se apegaram ao ethos DIY do punk forjaram um mundo 'indie' de pop torto que muitas vezes lembrava várias influências dos anos sessenta em um esforço para evitar as nuvens descendentes dos “ The Thatcherite eighties” (anos oitenta com Margaret Thatcher).

A música também inspirou a moda, em particular a designer Vivienne Westwood, cujos designs punk para os Sex Pistols ajudaram a definir o estilo londrino da década.

A filosofia “anti moda” das lojas definiu o movimento punk.

Vivienne Westwood era considerada a mãe do punk que veio para a moda com seus designs sensacionais e fez seu nome. As camisetas de streetwear de Westwood e McLaren causaram polêmica, com slogans como 'Cambridge Estuprador' e 'Pedofilia'.

Suas camisetas “God Save the Queen” – a rainha ostentando passivamente um alfinete de segurança no nariz – ainda provoca.

Liderados por Westwood e McLaren, customizações distorcidas como rasgos, zíperes, tachas, crachás e braçadeiras agora estavam sendo usadas como uma declaração política nas ruas. Essas roupas tinham algo a dizer – elas carregavam slogans, não logotipos.

Coturnos, muitos coturnos de couro preto. Botas de cano médio, botas de cano alto, compunham o visual provocante e desafiador.

“Street punk” criou a imagem do punk que todos conhecemos: moicanos, gargantilhas com tachas, tatuagens, botas Dr. Martens. As mulheres vestiam saias de couro e meias arrastão rasgadas e muitos slogans rabiscados e logotipos de bandas em camisetas com canetas hidrográficas.

À medida que a moda punk se tornava mais estilizada, o Novo Romantismo visava iluminar a escuridão política. “Queríamos sair daquela sensação de túnel subterrâneo da Inglaterra, daquela sensação sombria”, Westwood explicaria mais tarde. O estilo 'pós-punk' nasceu posteriormente. Os Dr. Martens ficaram por perto, mas foram usados com espartilhos inspirados em Gaultier.

Conclusão: Isso tudo as vezes parece distante, mas vamos prestar atenção nos movimentos atuais: covid, guerra na Ucrania, politicos corruptos, fome, carestia... mudanças climáticas. Qual será o proximo movimento? Quem serão os novos Punks?

Valeu!!!

 

 

 

 

 

 

  • A partir de: R$ 629,00
    Comprar

    Bota Razor Boot Preta

    Esta bota de couro é projetada especialmente para barbeiros e pessoas que passam longas horas trabalhando em pé. Com um design ergonômico e acolchoamento interno, ela proporciona conforto e suporte aos pés durante todo o dia.

  • A partir de: R$ 450,00
    Comprar
  • A partir de: R$ 899,00
    Comprar

    Bota Alaska Ohio Café / Graxo Marinho

    A nossa Alaska Ohio na cor café graxo marinho é uma bota dedicada aos aventureiros que curtem montanhas, trilhas e lugares mais frios. O seu fechamento é em cadarço 100% algodão - acompanha um cadarço extra de poliéster.

  • A partir de: R$ 278,00
    Comprar

    Coturno Vegano Cano Médio Viena Veg 2001 Off White

    Coturno na cor off white de cano médio, unissex, feito em material sintético de exclente qualidade e que não agride o meio ambiente. Bota super confortável e autêntica, que combina com diversos looks e ocasiões.